Notícias

Uma nova conquista na luta contra a COVID-19

Publicado 28/10/2020 na categoria Notícias/Novidades

Uma equipe multidisciplinar, da qual a empresa Bioinnovo SA faz parte, desenvolveu anticorpos aviários IgY que neutralizam o vírus causador da COVID-19. No marco do projeto denominado “Desenvolvimento e produção de reagentes críticos para diagnóstico e tratamento de COVID-19: Nanoanticorpos, anticorpos policlonais IgY e proteínas recombinantes”, uma equipe multidisciplinar, da qual faz parte a Bioinnovo SA – EBT, uma empresa formada pelo INTA e pela Vetanco SA, desenvolveu nanoanticorpos HHV e anticorpos aviários IgY que neutralizam o vírus causador da COVID-19. Com forte apoio do Conicet, foram realizados estudos que demonstraram a eficácia dos nanoanticorpos VHH, derivados de lhamas, e anticorpos IgY, da gema de ovos de galinha, na inibição da infecção viral causada pelo SARS-CoV-2.

prevenção ao covid-19

O VHH – nanoanticorpos monoclonais recombinantes – e o IgY – anticorpos policlonais – representam duas estratégias como tratamento preventivo e ferramenta terapêutica para pacientes acometidos por COVID-19. Essas moléculas, desenvolvidas como parte do projeto obtido pelo INTA na convocatória COVID-19 do MINCYT, têm potencial para se tornarem produtos. A sua aplicação será como um choque imunoterapêutico para o tratamento da doença COVID-19, complementar a outros métodos e vacinas disponíveis.

Os testes da atividade neutralizante das moléculas desenvolvidos pela equipe da Dra. Viviana Parreño, coordenadora científica do INCUINTA do INTA, foram recentemente comprovados na Argentina pela Dra. Itatí Ibáñez –CONICET- com pseudo-partículas virais e, em paralelo, nos Estados Unidos, pelo Dr. Jonathan Auguste, do Instituto Politécnico da Virgínia, que analisou as moléculas em um ensaio com o vírus selvagem. Além dos testes realizados no Instituto Malbrán, que também o demonstram.

Hoje, o INTA tem duas estratégias de imunidade passiva contra o SARS-CoV-2: uma voltada para a fabricação de um polimonoclonal a partir do VHH de lhama, que representa diferentes compostos monoclonais no mesmo coquetel; e outro do qual participa a Bioinnovo, com os IgY, anticorpos policlonais mais baratos, fáceis de escalar e que atendem aos padrões de bem-estar animal. Ambas as plataformas apresentam a possibilidade de alcance massivo.

Esses resultados obtidos colocam a Argentina entre os países que desenvolveram seus “nanocorpos” como Estados Unidos, China, Suécia e Bélgica, entre outras nações da União Europeia, sendo o primeiro país do hemisfério sul a relatar essa conquista. Assim que os testes de segurança em animais forem concluídos nas próximas semanas, a fase de escalonamento e os testes clínicos poderão começar, com a aprovação da autoridade reguladora.

Sobre o projeto: Formam parte da equipe de desenvolvedores os pesquisadores do INTA, CONICET, Instituto Nacional de Doenças Infecciosas (INEI) de ANLIS-Malbrán, Instituto de Biociências, Biotecnologia e Biologia Translacional da Faculdade de Ciências Exatas e Naturais da UBA e a empresa Bioinnovo SA -EBT formada pela INTA e a Vetanco SA. Este desenvolvimento foi financiado pela Agência de Promoção de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação, INCUINTA, a carteira de projetos do INTA e o Projeto de Promoção de Nagoya na Argentina (GEF/PNUD). Da mesma forma, conta com o apoio de empresas farmacêuticas argentinas e pesquisadores do Centro de Pesquisa de Vacinas (VRC) de NIH e do Hospital Monte Sinai – Nova York, ambos dos Estados Unidos, e do Conselho Nacional de Pequisa do Canada.

Antecedente: A obtenção de nanoanticorpos monoclonais e anticorpos IgY é o resultado de pesquisas que desde 2005 são desenvolvidas pela plataforma INCUINTA, que atua no desenvolvimento de plataformas para a produção de anticorpos sob o conceito “Uma Saúde”.

Para mais infomações: https://intainforma.inta.gob.ar/investigadores-argentinos-neutralizan-el-coronavirus-con-anticuerpos-derivados-de-llamas-y-huevos/

Deixe seu comentário

7 + catorze =

Ver todas as notícias